Imperfeitos perfeitos, perfeitos imperfeitos?

Okay... okay... não ia suscitar nenhum assunto que desse asa a discórdias, mas não posso deixar de relatar algo aqui que foi escancaradamente... doido. Culpa dos livros. Ou das capas dos livros. Essas pequenas filhas das putas que gostam de nos fazer babar quando aparecem em nossas timelines, kindles, livrarias e afins. 

Vamos lá... todos nós temos crushs literários. Isso é um fato consumado. E digo no plural mesmo. Praticamente um harém, porque eu não consigo ter só um. Tenho vários. Tenho um monte de maridos literários, que antes estavam fadados apenas à minha reles imaginação, minha mente criativa e descrição muito boa da autora ( obrigada, autoras queridas... adoro quando vcs dão aquela destrinchada no grau pra gente entender como o boy realmente é... Até agora a mestra no quesito é Nora Diva Roberts, também vulgo JD Robb, que conseguiu a proeza de descrever Roarke com tanta perfeição que basta eu ler seu nome no papel e é como se eu pudesse ouvir o som de sua voz com aquele sotaque sexy da irlanda, ver aqueles olhos irlandeses fantásticos, sentir a textura fabulosa daqueles bastos cabelos negros... enfim. Mano... sou capaz até mesmo de sentir o perfume do Roarke. Uuuuh... ).

Outra alternativa muito interessante que temos encontrado nesse mundo literário é quanto à mania que os blogs têm de criar avatares magnéticos para os mocinhos dos livros. Daí, rola aquela viagem doooooida. Porque muitas vezes o cara que tu imaginou não é bem o que está lá na foto, que foi o que a guria idealizou, ou o que a própria autora se baseou para criar o personagem. Aí fode com tuas ideias pq atrapalha tudo. 

Mas... nesse mercado editorial liiiiindo, uma das coisas que acabou virando febre e realmente gera um frisson absurdamente fabuloso diz respeito à moda de colocar modelos gatos e apetitosos nas capas de livros. Cada uma mais fantástica que a outra. Daquelas que tu vê e Uoooooooooooooooou... wadarréu? Lerei... lereeeeei, com certeza lerei este livro, porque quero conhecer este personagem maravilhoooooooso.
Eu tenho que confessar que me apaixonei pelas costas do modelo que está na capa do Archer's Voice, o próprio Archer. ( Aqui no Brasil saiu com a tradução magnânima de "A voz do Arqueiro"... vá entender...).


   
Tenho um crush louco por essas costas... sério mesmo.


Enfim... já tive sonhos com mocinhos de capa. Juro. Tipo... uau... se eu encontrar com esse cara, tenho medo de chamar ele pelo nome do personagem xis.
Um exemplo... tenho certeza que se muitas meninas encontrarem o Josh John ( aquele modelo loiro todo tatuado), vai rolar um conflito interno na hora de se referirem ao rapaz, sem saber se o chamam de Flame ou Bear... já que ele dá vida ao avatar da série da Tillie Cole e deu vida à capa de uma série de livros da TM Frazier.





São muitos exemplos... muitos mesmo. 
Mas o mais recente que temos para contar está no ineditismo que acabou de rolar aqui no Brasil. Nos Estados Unidos, Europa e tal, é muito comum que aconteçam booksignings e alguns modelos de capa acabem sendo convidados a estarem ao lado das autoras, criadoras dos personagens cativantes que ostentam na capa. Jennifer L. Armentrout sempre fez isso com a série Obsidian, do alien gostoso Damien Black, colocando Pepe Toth ao lado dela para autografar os livros. Em algumas edições recentes ela já lacra logo a porra toda colocando vários modelos de várias capas. Justin Scott Edwards, Drew Leighty e por aí vai.





Bom, nesse dia foi engraçado porque ele queria aprender português...

Vcs não têm noção de como esse Pepe é fofo.





Justin é um amooooor de pessoa. 

Um outro booksigning longínquo que fui, conheci o cara da capa de Taint. Michael Thornston. Um amoooor de pessoa também. Tímido ao extremo, mas superbacana e simpático. Mas vejam... nunca no nível de simpatia de Franggy e Stuart. Franggy ainda se sobressai porque é latino. Tem toda essa calorosidade ardendo nos poros. 


Vamos ignorar a minha cara, porque eu estava cheia de Greygoose.


 Kresley Kole lacrou o lançamento de Lothaire, da série Immortals After Dark, quando levou o Paul Marron para autografar junto. Todo trabalhado no couro. Kinen um vampiro. Alguém poderia dar essa ideia fenomenal pra JR Ward... que tal? Eu não me importaria de apreciar um Irmandade dos Adagas Negras de perto. 



Pois bem. Temos o cara master gato da capa de O ar que ele respira, da Brittainy C. Cherry. O que todas chamam de Pluto, falam o nome errado ( okay, nessa eu tenho que rir, pq quando falam o nome dele errado parece que estão falando "Frangui"... daí eu sempre mordo a língua p não rir pq parece muito com frango. Enfim.)... Franggy Yanez é um amor de pessoa. Eu já tinha tido o prazer de conhecê-lo em um evento nos Estados Unidos, em março, e simplesmente atestei que ele mortal, como todo mundo, simpático, o que é até raro, porque alguns são insuportáveis. Nessa leva veio junto o Stuart Reardon, que também é uma criatura sensacional, e não, não estou falando de físico. Estou falando de humanidade. O cara é engajado em uma série de programas de esportes para crianças, é todo naturalista, ama esporte, a vida, a espoooosa. Olha que lindo? Quer coisa mais legal do que isso?








Pois... daí a The Gift Box traz esse dois seres fantásticos e absurdamente lindos, junto com Brittainy C. Cherry, para um puta evento maraaaaaa... o The Gift Day. 
Há uma razão para que este evento tenha esse nome. É para ser um gift, um presente pra vcs. Para todo mundo que estiver ali. 
Nos Estados Unidos é muito comum eventos literários onde se reúnem autores, sentados lado a lado, em suas mesinhas, recepcionando suas leitoras e fazendo a vida delas muito mais legal, deixando com que todas tenham a oportunidade de conhecer, ao vivo, autoras que criam personagens fantásticos que praticamente ganham vida em nossos corações.
Daí... a The Gift traz essa proposta arrasadora pra cá.
Vou dizer. Os três já ficaram abismados porque em booksignings lá fora eles são vistos como pessoas normais. Okay... não tão normais, mas não no padrão celebridade boooom como foram vistos aqui.
É por isso que o Brasil é simplesmente inesquecível para alguns. Porque deixa a experiência surreal demais pra eles, entendem?
Pois bem...

Mas caraaaaaca, Martinha. Todo mundo falou isso... bla bla bla. 
Masssss... me surpreendeu demais foram alguns comentários maldosos espalhados ao redor, gente. Mano... vamos lá... Nós criamos em nossa mente um ideal perfeito de mocinho literário. Culpa das autoras que os fazem assim. Os caras têm tanques de lavar roupa no abdome, músculos saltados, nenhuma gordura saliente, cabelos sedosos e brilhantes, dentes mais do que perfeitos e por aí afora a lista de perfeição dos machos alfas. 
Então que Franggy não tem tanquinho? E daí? Cara... eu acho que a beleza interior dele, como ser humano sensacional, carinhoso, atencioso, sempre com um sorriso e um abraço a todas as pessoas que o cercaram, formam um pacote mais do que suficiente para sobressair qualquer pequena imperfeição que queira dar um oi, mano. 
Meu marido não tem tanquinho de guerra. E daí? 
Okay... Stuart Reardon tem. Saraaaaado, e ainda faz questão de tirar fotos e mais fotos mostrando a grandiosidade que tem. Hum-hum... Pois bem... ele vive da imagem. Foi atleta de rugby. Tem um lance de culto ao corpo. É quase uma religião malhar. Mas teve gente falando do cabelo do cara. Da barba... de ser grisalho.
Maaaaaaano... wadarréu? Hahahahhahah...
Gente... não vai existir um ser perfeito, cara. Isso é fato. Sabe por quê? Porque mesmo o ser mais perfeito que vc imagine ou veja pessoalmente, que tenha a mais fina estampa do caralho, esse ser também peida, também vai ao banheiro e deve dar uma desossa louca quando come algo sórdido, esse ser também deve ter um chulé monstro de vez em quando, muito provavelmente também tem bafo matinal, ou, dependendo dos hábitos de vida da criatura, se for um beberão ou fumar, tem o bafo de cigarro. Esse ser, dependendo da nacionalidade, ou dos hábitos que gosta de praticar na sua vida, pode muito bem não curtir lavar o cabelo toda hora, tomar banho todo dia, usar desodorante com medo de dar câncer ou para preservar o meio-ambiente. Sacaram? 
São seres perfeitos, imperfeitos. 
E outros são imperfeitos, com sua barriguinha saliente ( porque disseram que o Franggy era gordo), perfeitos. 
O que importa é a forma como os caras trataram a cada uma das pessoas que chegaram ao lado deles tanto em SP, quanto no Rio. Duvido que haja uma viva alma que vá relatar que foi destratada, que acharam os caras metidos e insuportáveis, arrogantes e tal. 
Mesmo constrangidos em alguns momentos, com as brincadeiras das garotas mais ousadas, eles foram extremamente profissionais e acessíveis. 

Olha, que fofo.. até a capinha da Rainbow tá na foto.


Pessoa mais tosca pra fazer selfie... com dois elementos do lado...

Cheers, ladies!


Então, gente. Desculpa. Tive que fazer essa divagação para mostrar que... vamos nos ater ao que de fato importa nos relatos. Todas as pessoas que foram aos dois eventos se sentiram acalentadas e felizes. ( Sei de algumas exceções, mas putz... há de existir sempre alguém para ser o do Contra... culpa do Maurício de Souza que criou esse personagem... hahahah). 

Eita... que foi chuva de foto nesse post!
Mas vou ser legal e postar um monte de capas picaslicious que acho que tb povoam o imaginário da "mulegada"... Dentre as rainhas das capas pecaminosas, temos Vi Keeland e Penelope Ward liderando no ranking... nem deu pra colocar todas porque... bem... era meio óbvio. Eu tipo perdi o foco totalmente. Eu tenho as minhas preferidas da dupla... 













Ahhh... e por que não o Dr. Gabe Szaloki, o húngaro gostoso???

Ou talvez o astro de Hollywood, James Bradley? Essa capa é fodástica. Tenho arrepios.


Sentiram o drama? Mas agora vamos a uma coisa muito importante... fotografias são imagens que podem ser trabalhadas e adulteradas ao seu bel-prazer para deixar a capa no grau. Muitas fotos têm efeitos magnânimos que deixam tudo muito mais glamoroso e tal.  Já vi capas que as fotos eram lindas, os modelos eram fabulosos, mas chega lá no insta e veja ao vivo. São seres humanos normais e tal. 
Pra mim, na boa, o que importa é quando, na prática, um desse caras lindos pra caráaaaaai, mostra que ao vivo ele é simplesmente adorável e educado e não um poço de idiotice. Tem um modelo que a maioria das meninas é simplesmente apaixonada e fascinada e muitas autoras e outros modelos que conhecem dizem que ele é um "asshole". Então daí eu te pergunto: 

Há realmente a necessidade de uma beleza perfeita? 


Bjuuuuuu



2 comentários:

  1. Pois é, Martinha, li uma reportagem algum tempo atrás, a jornalista, falava do Brad Pitt( a mulherada o adora), dizia que ele tinha os cabelos ensebados e os dentes amarelos e mau hálito, e agora?, acho que o melhor é deixar o crush na imaginação mesmo, eu até agora não consegui dar um rosto humano para o Roarke, e você?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gininha... eu tenho um Roarke na minha mente... mas ele é meio que um mix de algumas características de atores e modelos. Mas tipo... o mais próximo que chega é o Giulio Berutti. Mas com o cabelo de outro ator, altura de mais outro, físico de outro. Quase um Frankenstein... 😂😂😂

      Excluir