Swing C's



Não é à toa que carrego a alcunha de divagante... se eu estiver em um processo de leitura, provavelmente de uma série longa, e sinto a vibração intensa e a necessidade looooouca de divagar para vocês... podem crer que é porque logicamente... estou divagando... e preciso compartilhar minhas pérolas de sabedoria...

Cá estou eu, em uma vybe de Motociclistas ( não fale motoqueiros que eles ficam putos...) selvagens. Andei me enfiando em umas séries super densas ( depois vou divagar sobre uma dark night blanguers ), quando vi o burburinho sobre uma determinada autora e resolvi investigar. Porque eu acho que esse é o trabalho de todo blogueiro literário... investigar o que anda rolando por aí no circuito dos books. Embora eu não me considere uma blogueira literária... e sim uma divagante literária, errante pelos caminhos tortuosos que determinadas leituras podem gerar na minha mente.

Okay. Taí. Jamie Begley. Nunca tinha ouvido falar na mulher. Fui ler os books. Já caí matando no primeiro : Razer's Ride. Anote o detalhe que cada motoboy magia aqui tem um apelido respectivo que vai ser correspondente a algo muito pessoal. Razer está ligado a lâminas de barbear... mas não pense com inocência, okay? Pense sujo, lady.

Okay... primeiras páginas do livro você já fica assim: Oooooiiii? Comassim?  Calma... xô explicar... estamos muito habituadas em ler séries de livros de MC's fodões, que normalmente estão envoltos no mundo da bandidagem, tchururu. São livros com uma temática mais dark, crimes, parará. Veja aí exemplos de várias séries, como a mega dark da Tillie Cole. Mas temos outros bons exemplos... Chantal Fernando, Bella Jewel, Madeleine Sheehan e outras.

Aqui os Motocas são foooodas. Mas no sentido da palavra mesmo. De foda. De foder. Na verdade eles conjugam bastante o verbo. O tempo inteiro. O livro todo. É tenso. É escaldante.

Os caras são barrigudos, barbudos e temerários? Kinen os "cara suja" do seriado Sons of Anarchy? Não. Claro que não. Obviamente que não. Aqui eles são todos ex-militares, praticamente Seal's ( ploft! Som do meu desmaio quando descobri esse detalhe...) , que se aposentaram do serviço e resolveram fundar um clube.  Então trabalhe a mente aí em tanques de guerra, gomos e pacotes de seis e oito, V's descendentes, membros superiores dignos de nota e um objeto fálico estilo bazuca, praticamente um Pole Dance, literalmente, já que as minas lustram bastante. Daí tu soma umas tatuagens super sexies e um sex appeal da pêga. Tome aí uma das muitas razões porque esta série arrasa.

Os caras são ricos e ainda fazem operações para o governo. Enfim. Moooooorraaaaaaa.... espere um pouco de ação. Quando eles não estão fodendo. O que não deixa de ser uma ação também. No ato de foder. Enfim. Espero que fique claro o espírito do livro.

O que dá uma arrepiada na mandioca aqui é o seguinte... normalmente esses machos alfas são tachados de mega possessivos, certo? E porra... se eles são machos, há certas atitudes que são atitudes muito másculas, como por exemplo não ficar exibindo o pau para os outros coleguinhas, nem apreciando o bagulho dos outros e por aí aforante.

O que nos leva ao título ideal desta divagação. Esta série não deveria ser considerada de MC's e sim de Swing C's , porque esse clube dos Last Riders, nada mais é do que um puta clube de Sexo. Cheio de putas. E putos, claro.

Vejam bem. Aqui há membros mulheres também. E para se tornar membro, as criaturas com aquilo entre as pernas ( pussy ladies) devem dar para 6 membros originais. O grupo é formado por 8 membros originais. Helloooo... a fila é grande das mulheres...

Amigas. Choquei. Pasmei. Virei Goma de chiclete seca. Porque é um clube de swingue mesmo. Rola um troca troca de casais sinistro ali dentro. As putas do clube rodam entre eles e é praticamente um rodeio. E tipo, você nunca mais vai pensar em uma festa numa sexta-feira em um clube de Motociclistas com olhos inocentes. Porque a descrição aqui é orgia pura.  E cara, eu fiquei pensando que toda hora era sexta feira no livro da mulher... nem sei quantas sextas-feiras o mês devia ter, mas eram bastante... hahahaha...

Daí quando as mocinhas surgem, lindas e praticamente virginais em suas canduras, os mocinhos são pegos pelas bolas. Mas dão um jeito de inserir as ditas no clube e meio que apresentar o estilo de vida alternativo para as criaturas. Que correm assustadas como camundongos em um desfile de vassouras, mas até eu, gente. Tipo, eu odeeeeio com muita força, muita força mesmo, livros com menáge a trois. De boa pra quem curte e se amarra, mas eu detesto. Então quando eu via o prenúncio de algo insinuante eu dava uns gritos na Josiane e falava : Paaaaaaaaraaaaaa tuuuuuuudo!!!! Que eu preciso descer que minha labirintite tá atacada!!!!

Essa é mais ou menos a sensação que tive a cada livro. Vamos lá. Os mocinhos são fodedores natos. Então eles fazem merda. Putaquepariu. Vão fazer merda lá na casa do chapéu. Eu tenho asco de livro que o mocinho trai de boa, naquele intervalo entre decidir "fico com a mina ou não fico com a mina". Ou se tem uma briguinha, pronto. Vai lá e come outra refeição.

Então se teu coração dá uns saltos esquizofrênicos quando você lê essas paradas, te prepara.

Eu gosto de homem possessivo, tendeu? Tipo as vampirada do IAN. Essa mulher é MINHA. Ninguém chega perto do que é MEU. Ninguém vê nenhum pedaço de pele que ME pertence. Se encostar eu estripo e por aí vai.  Bom, eu curto. Nos livros isso é mara. Na vida real é meio psico e obsessivo, mas enfim... estamos falando de livros, certo?

Os caras aqui, antes de finalmente, finalmente assumirem as gurias como suas, tinham uma vida muito cheia de liberdades e compartilhamentos de corpos alheios. Cara tá lá, com uma puta chupando o bigulim, daí outro chega por trás e créu. Daí outro chega e fala : Hey, libera essa aí e pega aquela outra lá. E as bichas tão de boaaaa... Mas isso estou falando das putas oficiais. Que são até gente boa, tadinhas. Mas a autoestima foi lá pra putaquepariu ( literalmente).

Neste grupo aqui dou palmas só para o Shade, que é um DOM nato e meio que você poderia classificá-lo como uma espécie de... Flame bem resolvido na vida e não tão fodido. Eu acredito piamente que o cara também tem uns traços bem Asperger, sem demonstrações de sentimentos e parará, mas quando ele bate o olho na mocinha, tipo a mente do cara grita: MINHA. Daí ele pacientemente espera até a hora de dar o bote e reivindicar a lady. Mas ele espera quieto e pacato, como esperaríamos romanticamente? Claro que não. Enquanto isso, ele fode "as mulé tudo". Prostituto do caralho. Poderia ter ficado casto. Quietinho. Colocado a cobra pra dormir de boa. Morrer ele não iria, né?

Enfim... mas entre todos, ele é o que tem as características que eu mais curto. De nada de compartilhar. Porque aqui o lance é o seguinte: se as mocinhas estiverem de boa com compartilhar, os caras tão de boa na lagoa, tranquilo no mamilo, suave na nave. Tomanucúuuuuuu, véi!

Esqueça os lances de Old Ladies que vc lê em outros books. Aqui não existe isso. Ninguém é dono de ninguém. É território livre. Voyerismo corre solto. Se a porta do quarto estiver aberta, é um sinal que outros membros podem entrar pra apreciar o show ao vivo. É praticamente um reality show meeeeesmo. Pornô. Muito doida a concepção de sexo livre grupal que a autora fez. Aaaaah... só vcs lendo pra entender... Os manos tipo tem o maior tesão de verem uns aos outros transando livres e leves e soltos.

Eu praticamente senti as assaduras nos meus países baixos só de ler o taaaanto de cenas de sexo que essa série tem. Quase necessitei de uma hipoglós mental. Não dá pra negar que a autora escreve super bem. E consegue acender as lamparinas da mulherada...

Não sei onde a autora quis chegar com a junção da exploração de duas vertentes contraditórias até agora. Sério. Porque aqui as mocinhas frequentam a igreja, são cristãs convictas, com valores arraigados e tal. Você vê que rola uma parada de tentar mostrar que o pai de duas delas era o pastor da igreja e era um sádico abusivo, com implantação de castigos divinos e todo papo de religiosidade, mas você percebe que as personagens femininas são construídas para serem boas e muito humanas, sempre respeitando o próximo. Enfim... elas cultivam valores. Que muitas vezes batem de frente com a caralhada do sexo solto do Clube dos Last Riders. E aí rola o conflito. Então eu não sei se a autora quis explorar que toda mulher pode ser uma dama fora e uma puta na cama. Ou ser cristã e ainda assim curtir os prazeres mais pesados da carne, sei lá. É muito estranho.  Minha mente divagou muito nisso. Porque não concordo. Parece que ela tenta fazer uma apologia, saca? Tipo: ei... vc aí? Pode ser uma boa moça, uma cristã, ir à igreja, mas se quiser, pode dar pra geral que tá de boa, porque o corpo precisa sentir...

Não concordo. Mas aí é meu ponto de vista careta, neh? Me julguem... hihihi... O último livro, do Lucky, é o mais denso nesse aspecto de conflito interno religiosidade/ frutos da carne. Porque o Lucky era pastor mesmo. E ele tem umas taras muito toscas pra fazer uns jogos sexuais. Mas vc tem que ler pra sacar.

Minha divagada errante vai para : como as mocinhas tinham coragem de beijar as bocas dos caras, que vagavam pelas pirikitas alheias das putas fixas do clube ? Toda hora, a todo momento. Em qualquer lugar.  Eu teria um pouco de ressalvas para executar o ato...

Outra coisa que não concordei... as putas do clube, cujas quais denominarei: Raci, Stori, Bliss, Jewel e Evie sempre que estão sendo utilizadas pelos rapazes, escutam a frase célebre : Venha aqui que vou me enfiar nesta boceta apertada. Oi? Não... não... contraditório... se estas ladies, dividem seus corpos para tantos machos, muitas vezes por frente e por trás, um atrás do outro ( haaaaaja disposição) , não consigo compreender o conceito do apertado... pra mim o tecido deveria já estar mais para o relaxado... mas tudo bem... vai que as bichas fazem pompoarismo, né?!

Outro questionamento: Nunca vi estas mesmas criaturas menstruadas no clube. Com cólicas, TPM... nada. Sempre bem dispostas. Helloooo... que mundo é esse e que mulheres são essas? Amazonas? Tá foda competir com esse parâmetro de ninfomaníacas.

Outro ponto. Os homens sempre carregam as mulheres, quando querem transar, para seus aposentos, no ombro, sabem como é? Kinen bombeiro socorrendo vítimas de incêndio? Aquele típico comportamento de macho neandertal e tal? Pois é... o que eu já até fiz um video uma vez demonstrativo, mostrando claramente  que apenas nos livros esse tipo de carregamento é bacana e usual. Na prática é uma bosta. Dói o estômago ser pressionada contra o ombro do indivíduo, se você tem labirintite é foda, e outra... se o cara soltar um pum... mêeeeu... tu morre e acabou o glamour, véi.

Hahahahahhaha... matei a cena romântica pra vcs, ne? Sorry...

Eu tenho a dizer uma coisa: Jamie Begley escreve muito bem. A série é bem delineada com uns mistérios e uns parangolés ao longo dos livros e um vai puxando o outro. E é uma autora inteligente, porque entremeia mais 3 ou 4 séries nessa, então tem uma ordem e sequência certa de leitura, pra você não ficar perdidão.  As histórias têm um gancho e uma pegada tão intensa que você não consegue parar de ler. Mas confesso que cheguei a pensar em vários momentos a desistir, exatamente pelo fato daquilo que disse ali acima. Não curto essas paradas de compartilhamento de material ou bofe alheio. Eu pulava bastante as cenas de joguinhos sexuais. Inclusive, nos últimos livros, nem sei se por conta dos machos da casa já terem se ajustado com suas moçoilas e diminuído um pouco o ritmo das orgias e bacanais, vemos bem menos. Pode ser também porque um dos pontos que muitas leitoras queixam a respeito dos livros da Jamie é sobre o excesso. Porque tudo em excesso é ruim. Até sexo. Então... nego tava ficando meio que irritando com o tanto de cenas de sexo sem sentido e tal. Daí nos últimos livros vc pode notar outra vybe.

Vou dar uma divagada quanto às capas... Quando vc pensa em MC's, qual é a moto que tem vem à cabeça imediatamente? Na minha são as Harley Davidson. Na hora. Acho que tem a característica dos motociclistas fodões e tal. A capa do Razer a moto não se parece em hipótese alguma ser uma HD... hum hum...
 Dá uma olhada aqui:



 Diagnóstico final de leitura: Curti. Alguns momentos. Alguns diálogos. Algumas cenas. Alguns personagens. Todo mundo batendo palmas, porque até agora o campeão de votos é o Shade. Preparem as calcinhas para um novo conceito de DOM. Acho que só vcs lendo para tirarem suas devidas conclusões. Um dos personagens mais inteligentes que já tive o prazer de me deparar...

 Eu sempre faço leitura em conjunto com minha amiga Kiki. Eu e ela passamos o dia inteiro trocando áudios no estilo: "Queeeeee que é isso!!!! Não acredito...!" Falei pra ela que eu achava que esse povo fazia tanto sexo, porque as vibrações das motos devia dar um siricutico nas bolas e os caras precisavam botar pra fora...literalmente.

 E a pobre Jô sofreu comigo... pq perturbei... em busca de spoilers. Aaaah... eu pedia mesmo. Falava na maior cara dura: "Me diga aí, Jô. Essa mocinha permanece intacta ou vai ter entrada USB por todos os lados, de diferentes machos, mesmo que sejam gostosos?" Hahahhahahahaha...

Tô com dor de cabeça até agora. Muito sexo em letrinhas assim faz mal... sobe a pressão. Dá até angústia. Hahahhahahaha... E revira os zoín... especialmente se os personagens estão praticando alguma pose Cirque Du Soleil que você não compreende, nem se virar o livro de ponta cabeça...


Bjuuuuuu



Aqui vai a ordem correta de leitura, se vc não quiser voar nas histórias:



Agora pra vc se divertir um pouquinho e soltar sua imaginação... qual seria sua moto de escolha?




To aqui nessa equipe, hein? Hahahah

7 comentários:

  1. Amo esta serie no aguardo da historia do Train acho que vai pegar fogo, mas pra mim a melhor mocinha é a Sex Piston, o mulher decidida com faca na bota kkkkk, um docinho de pessoa ������������

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também achei... e olha que quase pulei a história da marrenta... acabou que amei o livro dela... estou doiiiiida pela killyama e Train...

      Excluir
  2. querida adoro tuas divagações sempre inspiradoras .. eu particularmente amei também o shade .... mas gostei também do grupo da sex pistol e to curiosa pra saber como a autora vai desenvolver a história do train com a killyana do grupo da sex pistol.. hehehe

    ResponderExcluir
  3. Melhores comentários que já li sobre essa série!! Martinha ri horrores de vc enquanto lia e agora to com dores de tanto que ri nas suas divagações!rsrs E prepare-se pq ainda tem muitos livros da Jamie pra vir!kkkk

    ResponderExcluir
  4. Rindo até 2020!! kkkkk ...Ótimo seus comentários, alias, um dos melhores!!

    ResponderExcluir
  5. Primeira vez lendo o blog e adorei, essa série é meu xodozinho (Shade então nem se fala) e apesar de amar tanto a série concordo com tudo. Pulei algumas cenas de sexo também (principalmente as que envolvem as putas) e digo que só continuei a série porque as orgias diminuíram, porque ninguém aguenta tanto sexo assim!
    Suas divagações além de hilárias estão bem precisas e devo dizer que é exatamente o que a maioria das leitoras pensam, Jamie é uma autora fodidamente incrível e vem crescendo mais em cada livro, espero ler e me deliciar com mais de suas divagações com os livros que estão por vir!

    ResponderExcluir
  6. Shade é incrível, mas estou aguardando um livro do Rider

    ResponderExcluir