Divagações de Martinha

A Nhaca

É...eu sei...vcs sentiram minha falta. Até pensei que se eu tivesse feito o que tinha me proposto eu poderia gerar um poderoso caso de tráfego tumultuado na cybernet...
Mas enfim...uma pane em meu sistema de internet " bunda" larga me gerou um atraso na postagem...Este feito associado a uma festinha de criança às 9 da matina de um sábado glorioso, acabou fazendo com que o post realmente se atrasasse, pq estou aqui, neste momento, sem almoço, postando algo que possa sair de minha mente brilhante.
 Aí eu aproveito o gancho de um bate papo muito informativo que tive com minha BFF Kakita. Estávamos rindo à toa sobre um romance NA muito interessante. Na verdade, ele retrata o que vemos com muita frequência nos livrinhos q tanto amamos. 
A nhaca. Sim. Ela mesma.
O que quero dizer com a nhaca. Vejam bem...eu jah divaguei sobre este assunto muito interessante e perturbador. E confesso...até hoje a coisa não desce muito gostoso na minha mente...eu sei, eu sei...minha praticidade literal faz com que vcs acabem tendo piripakes na hora de ler e me odeiem porque abri os olhos de vcs para coisas que passavam desapercebidas....hehehhe...
Não faço por maldade...eu juro. É que simplesmente eu leio e fico me indagando o porque da autora ter escrito aquilo daquela forma. 
Quando escrevemos uma história completamente saída de nossa cabeça pensante, não adianta dizer que aquilo ali não guarda fantasias ou memórias retrógradas. Muitas vezes guardam feitos que gostaríamos que tivessem acontecido, atitudes que gostaríamos de ter vivenciado e situações que gostaríamos de enfrentar...
O homem ideal é criado, completamente diferente da realidade social de cada uma. ( me lembrem de divagar minha teoria para vcs, depois...).
A cena ideal é descrita da maneira que aquela autora visualiza em sua mente. 
Os diálogos são criados com palavras que gostaríamos muitas vezes de ter a coragem de dizer ou ouvir e etc. Por aí vai...
Nossa...estou muito filosófica hoje...e tudo isso pra falar da nhaca. Um livro muito querido que li esta semana que se passou me fez refletir sobre algo. Que já fora refletido. E que foi compartilhado diversas vezes em indagações pertinentes. Mas sempre é bom falar de novo. 
Lá estava a mocinha pura e virginal ao sabor do vento, mediante um bofe mega lindo e absoluto que a deixa se condoendo de tesão sem que ela entenda o que " é aquilo" que ferve abaixo de sua cintura.
O cara, obviamente é um pervertido do carái, bulinador de mulheres profissional, super ultra lindo, porém ordinário. Mas a mocinha sente que por trás de toda aquela marra existe um bom corpão...digo, coração...heehehe...
Em meios a pegas e amassos bem dados contra paredes sólidas e músculos bem definidos, eis que enfim chega o momento glorioso. O momento em que a mocinha dá...toda a atenção que o cara precisa...hhhehe...ela libera a margarida para o bofe tudibom, e começa a ficar ouriçada pela coisa. Claro que depois que o período dolorido da esfregação passa. Depois que as paredes de sua batcaverna se acostumam com a fricção sinistra que a máquina possante do mocinho faz....o batmóvel bate, bate, bate e bate...e delírios são conquistados...
Ainda não cheguei ao ponto. A mocinha é uma garota trabalhadora, se entrega a um serviço cansativo, mas que lhe rende um trocado e dá um senso de independência financeira que ela precisa. Logo, ela rala. Ela é gente que rala. Literalmente. De sol a sol. De pino a pino. Ela percorre os gramados verdejantes do campo de golpe e fica o pó da rabiola de cansaço quando retorna ao seu lar, que por coincidência absurda, é o mesmo do mocinho riquíssimo e " fazedor de nada" . Voltando ao Batman, ela chega em casa se sentindo a palmilha da bota do Batman depois de um dia de duelo entre os vilões de " Gosman City" ( trocadilho infame, mas eu ri pacas....). 
Sentiram a diferença da realidade? Tudo bem...mas o que nunca difere mesmo, de livro para livro, de autora para autora é a narrativa absurda da mocinha chegar resfalfelada, cansada e destruída de um dia árduo de trabalho, não ter tempo sequer para um banho básico e o mocinho atacar ferinamente a criatura, na sala, no sofá, na bancada da cozinha, na escada, na piscina ou na praia. 
( Até que em meio aquático a gente ameniza o efeito " eca" da nhaca).
Entenderam aonde quero chegar? Porque? porque cargas d' água, a mocinha não pode dar uma asseada na margarida sorridente antes de se entregar aos prazeres da carne?? porque?? 
Mas o pior de tudo é o cara se achegar à área, dedicar uma atenção exclusiva na degustação e ainda soltar a pérola das pérolas: " uau...seu gosto é simplesmente fantástico..." . Hein? 
A mina trabalhou o dia todo, passou o dia inteiro com a mesma underwear, suou em bicas, chega em casa fétida e suada e numa lambida despretensiosa o cara diz que ela tá " delícia" demais??? Será que esse é o grande sonho de consumo da maioria das autoras? encontrar um cara que não se importe com convenções sociais básicas de asseio e sinta o gosto ardido da ralação na íntegra e ainda esteja saciado e feliz???
Será?? E isso porque tô falando da nhaca, da falta do banhinho...que seja passar um baby wipes na região antes de encontrar o " homi" tarado. E o cansaço da garota? o dia de trabalho não cobrou seu preço em varizes e pés inchados? daqueles que precisavam nada mais, nada menos que uma água quente e pés para cima, ou ainda uma massagem??? Não. Claro que não. O gatorade dessa galera se chama: " umazinha" . Hahahahhaha....     
São vários os livros onde apreciamos esta cena inesquecível. Em alguns eu chego realmente a fazer cara de nojo. Uma vez estava lendo um livro e meu marido olhou para o lado e perguntou: " o que tá escrito aí que vc está com cara de nojinho?" . Senti meu rosto corar de vergonha e abafei o caso. Mas sabe o que era? não me perguntem o livro porque não me lembro quem foi o bofe loooko e nem que livro foi... O cara dava uma na mina, mandava ver no gêiser de esperma e antes da mina sequer terminar de arfar em êxtase, ele descia ao ápice acima da terminação das coxas (vulgo, margarida esfoliada...) e ...uouuuu...lambia tudo num momento asseio total, tipo: " deixa eu te limpar, gata..." Nhami...ecaaaaaa....e o sinistro ainda virava e falava pra ela, em choque absoluto com a situação, enquanto ele lambia os beiços : " adoro degustar meu gosto junto ao seu..." ...que poha é essa??? literalmente porque era uma mistura loka de poha ...será que a isso se dá o nome de poha loka? o mix das duas gosmas que se unem em prol de uma só e que se apresenta na forma de uma clara de ovo? eeeecaaaaaaa....
Sério...salgado com ...ácido? Doce? azedo? amarguinho? 
Olha...choquei. Ainda me choco com algumas coisas que leio...e essa foi uma delas...porque minha vontade era perguntar ao husbie se essa situação poderia ser verídica ou não...ainda não perguntei, antes que vcs me perguntem...e deixemos este assunto quieto...
Viram que esse assunto rende, não é? Basta se lembrarem agora de cenas disgustings que vcs já puderam ler e compartilhar kazamigas...hehehehhe...

Bjuuuu 

14 comentários:

  1. e o nome do livro Martinha é????

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. São três livros até então a autora é Abbi Glines
      1 Fallen Too Far
      2 Never Too Far
      3 Forever Too Far

      Excluir
  2. Adorei a divagação Laird.. Li o livro e fiquei: WTF?? Como assim sem limpar o play primeiro??
    Os livros são cheios dessas loucuras.. Eu fico viajando, é cada coisa nojenta.. Li um que o cara lambia/chupava o dedo dos pés da garota..Desculpa pra quem gosta mas acho o cúmulo da imundice, pior até que a margarida.. pelo menos não fica fechada num sapato.. nem pisa no chão.. Enfim totalmente broxante =/

    ResponderExcluir
  3. Muito boa. como sempre. A segunda cena que você descreve, se eu não me engano é o Meu, o seu, o nossoooo Gideon e a ninfo Eva.
    Bjk.

    ResponderExcluir
  4. Eu não sei colocar em palavras como vc,mas tem cada estória que foge mto da realidade.......bjsss

    ResponderExcluir
  5. Muito bom, como sempre! Tem determinadas coisas que as autoras descrevem que eu fico pensando, pode ser ingenuidade minha, mas sera que tem gente que realmente faz isso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Janete, então a ingenuidade é nossa. Porque penso a mesma coisa!!! Algumas, acho que são até impossíveis! Mas, vai saber... rs

      Excluir
  6. Me peguei fazendo cara de nojinho entre risadas agora!!! rsrs
    Também acho uma eca sem tamanho! Quer pior do que aqueles que dão uma provadinha no sangue da quebra do lacre??? Eeeecaaaa!!! E os que dão o sangue da quebra do lacre para as antas provarem??? E elas provam ainda por cima!! Duplamente eeecaaa! E o tal do magnífico todo orgulhoso porque ganhou as asas vermelhas??? Eeeecaaa da eeecaaa ao cubo!! E olha que esses aí nem são vampiros... Não que fosse fazer diferença na eca, mas teria uma justificativa (ou não!).
    É muita imaginação viu! E acho melhor nem saber de onde essa imaginação toda vem! hehehe

    ResponderExcluir
  7. Realmente muita imaginação!!! Mas tenho que lhes confessar: Meu marido conheceu um cara que vendia coisas bizarras, pois é isso mesmo, e ele tinha um cliente que comprava calcinhas usadas, mas não pensem que é usada e levada, não!!! Tinha que estar usada durante o dia todo e suada....(eca!) Sei de cada história que vocês nem imaginam. É loucura total, pelo menos esses nossos mocinhos "amam" nossas mocinhas virginais!!! kkkk... Mas mesmo assim também penso: Eca!!!

    ResponderExcluir
  8. OK, Martinha querida.

    Fique tranquila. Não irei incomodá-la mais. Não precisa mais divagar sobre a série pay changeling e guild hunter da Nalini Singh. Eu pedi para vc fazer isso pois eu amo suas divagações e quando vc divaga sobre um livro que ja lemos, sua divagação fica melhor ainda. Mas nem todos os nossos sonhos podem ser realizados, não é Mesmo?

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pelos santos prágrafos, Cidoka...eu vou ler essa semana esses psssssssitos q tu falas...me redimirei...

      aguarde...

      Excluir
  9. Eu momentos como esse que penso que as autoras tem sério problema com água e sabão e deve ter espírito de Cascão. Eca, ninguém merece inhaca, não mesmo.

    Blergh...Alguém entrega um esfregão a essa autora e explica pra ela como se liga o chuveiro? É só girar a torneira, simples assim e a ''mágica" acontece. KKK Tó pegando pesado né? Mas que ler sua divagação me deu asco em só imaginar. Cruzes. É o Gaganás kkk

    ResponderExcluir
  10. O flagra do marido na cara de nojinho hahahahahahah da leitora corrompida essa é uma ação constante nos sagrado lares de família.
    Salve Martinha delícia de divagação!!!! essa da nhaca renderá muitas e boas risadas!!!!!

    ResponderExcluir
  11. Bem, eu acredito que no mundo, exista de tudo e lá sei eu, se a pessoa gosta, não vejo nenhum problema, afinal a boca é dele e o gosto é dele. Outro dia li que aumentaram os casos de câncer na boca e garganta e a causa................................sexo oral e o famigerado vírus HPV, então se cuidem, exijam e façam exames periódicos. Beijos.

    ResponderExcluir