quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Divagações de Martinha

 

Pré-História

 

Okay…vamos lá em tempos remotos. O povo pediu…eu tentei…e consegui chegar ao final do livro. Nome: Transcendence . Autora: Alguma coisa Savage. Opaaa….ela já tem no nome esse lance de selvagem?

Entonces. O livro caiu na rede kinen peixe doido pra ser comido. As minas leram e surtaram, no bom sentido. Graças a Deus não soubemos de nenhuma que realmente tenha ido para num manicômio.

Só via os comentários enaltecendo o tal homem das cavernas e tchururu. Aí, dei um look grade na capa e não curti. Nhaaaaammmm…

livro 1

Vamos combinar geral. O cara é feio pracarái. Eu pelo menos achei. hihihih…

Mas daí, como toda leitora psica, a gente começa a ler e os horizontes começam a mudar. Eu tenho um hábito muito saudável. Aposto que algumas de vcs devem ter também. Ou já tiveram, se foram curadas…

Eu tenho mania de ler o livro e quando rola os momentos de descrição dos personagens, eu volto na capa pra dar uma olhada e ver se é compatível. Seja em livro físico ou no ebook. Tipo pra me lembrar do cara, mesmo. Uma visualização facilitada. Por esta razão eu tenho mania de comprar o livro pela capa…e quando descubro na história que a capa não tem nada a ver com o bofe…caracaaaaas…eu fico puta! Tipo, o cara é loiro, gato, de cabelos grandes e com o peito cabeludo. O cara da capa é moreno, de cabelo curto, gato, porém de peito pelado. E aê, José? sacanagem…

Por isso essa capa não me agradou em nenhum momento. Até que eu venci o preconceito e peguei p danado pra ler. Well…tive que dar um upgrade e fazer um F5 pra atualizar o bofe. Então…preferi trocar esse ser da capa, por este exemplar.

Selvagem

Opaaaaa….façamos pois um comparativo. Tô de boa na lagoa com o bocudinho ali da esquerda, hein? Não é aquele fofo super macho que fazia Games Of Thrones? Então tá…

Okay…repaginando o mocinho, eis que caí dentro da leitura. E guriiiiias…descobri porque as minas estavam todas piradas. Não, suas taradas. Não tem nada a ver com o documento do rapaz. Tem a ver com a intensidade que a criatura se descobre curtindo a mocinha.

Vejam bem. O cara tá lá…espreitando na moita que algum animal caia na armadilha dele. Putz…ele tá com fome, tadinho. Daí ele escuta algo e vai todo feliz da vida olhar sua caça. E dá de cara com tipo assim…a Gisele Bündchen da parada, sacaram?

A muléh mó gata selvagem, tá vestindo uns lances esquisitaços pra ele, e fica fazendo um barulho absurdamente irritante com a boca. Sabem o que? Ela estava falando. Yay! Um cara mudo! Não, minhas senhoras. É que o cara é pré-histórico e não se comunica por palavras. Gestos, desenhos, tchururu. Mas palavras formando frases? never.

Daí ele sai levando a moça p caverna dele. Nada de arrastar a bichinha pelos cabelos. Ele foi até gentil. Tava tentando salvar a guria de ter a bunda chutada por um bando de búfalos ( era isso? ) . Aí ele leva a gata pra conhecer o seu Quartinho do Horror. Tipo…necas de TV de Plasma. Cama King Size? Noooo…Cozinha ultra moderna? naaaayyyy…Uma banheira luxuosérrima? Nuuuunca.

A caverna é tipo…uou…uma caverna mesmo. Sem nenhum atrativo bacana. Só com o foguinho pegando ali numa fogueirinha pra dar um calor para afastar o frio enregelante. O cheiro fétido de carne vencida tá varrendo o ambiente como uma onda nauseante de putridez ( caraaaa…que lindo isso que eu falei…). Tipo: tradução. A caverna fede. Porque não tem geladeira, sacaram? poxa…é por isso…o cara até faz suas necessidades fora do cafofo.

A gata dá um look no visú e pira na maioneggs. Literalmente. Começa a chorar e falar e o cara tapa os ouvidos porque aquilo tá doendo a cabeça dele e tal.

Vejam bem. O livro é toooooodo na narrativa dele. Se ele não fala, é mais do que óbvio que o livro tooooooodo não tem diálogos empolgantes e tralalá. Eu curto um embate dialogal. Eu falo pacas. Então…ler um book sem diálogos foi…no mínimo interessante. Agora já posso dizer que li quase de tudo.

Vejam bem. A mocinha é descolada. Ela dá um trato no garoto. Dá um banho gelado nele, porque o cara devia estar fedidão. Penteia as madeixas do rapaz…uou…eu não teria coragem de chegar perto…sei lá o que poderia ser encontrado naqueles dreadlocks. E vai levando a vida pacata, falando sozinha, porque ele nunca responde. Óbvio. hahahaha…

Vamos lá. Até que chega o momento derradeiro. Nãoooo, suas safadas. Não é rala e rola do babado não. Chega o momento de revelar o nome. Tipo aquele lance: Mim, Tarzan. Tarzan, Jane.

A mina tenta perguntar o nome dele. Ehd. Oi? isso mesmo que vc leu. EHD. Maneiro. Curto. Rápido. Num grito só você já chega no intento: EEEEEEHD!!!

Aí ela vai falar o dela. Essa parte é hilária. O nome da girl é Elizabeth. Ela tenta. Mas o mané pelado só consegue falar Beh…BEH. BEEEEEEh…Juro. Por alguns instantes pensei num bode. Bééééé…

A parte boa é quando, por fim, rola o esbregue naite, os gritos ficam fáceis…quer dizer…o cara só geme um lance assim: hooooooommmm…

Eu ri horrores. Mas agora falando bem e sério. O livro é uma descoberta de dois mundos. Ele tenta se ajeitar às maneiras dela e ela tenta de toda forma se manter no mundo dele. Ela desenvolve altos utensílios com o material que tem em mãos e com o conhecimento que tem do século ao qual ela pertence. Ela acaba realmente se apaixonando pelo cara e ele, à sua maneira tosca de ser, se apaixona por ela. Embora ele pense que colocar um bebê na barriga dela seja sua obrigação principal. Espertiiiiinho. Ele se preocupa e tenta suprir tudo o que ela precisa, ou o que ele acha que ela precisa. Então é muito bonitinho ver ele se esforçar pra agradar a mocinha.

Dois mundos. Duas culturas. Que se fundem em uma só. A gente pensa que o livro não tem lógica alguma, mas lá pro final, quando lemos um spin-off do que talvez seja o próximo livro, com o Ponto de Vista da mocinha ( aê sim vamos ter diálogos…) , é que compreenderemos que há muito mais do que aquilo que lemos…huuuuummmmm…

Chegaremos a compreender que a história dela é realmente uma pré-história do que foi a história??? confuso? também achei…hahahahaah…

Mistééééérioooo…

 

Bjuuu

P.S. Vençam o preconceito e leiam. Vocês nunca mais vão olhar para um homem das cavernas com os mesmos olhos. De acordo com algumas meninas, você nunca mais vão chamar os homens ogros de Homens das Cavernas. Porque esse EHD mudou todo o conceito.

Divagações de Martinha

 

Pré-História

 

Okay…vamos lá em tempos remotos. O povo pediu…eu tentei…e consegui chegar ao final do livro. Nome: Transcendence . Autora: Alguma coisa Savage. Opaaa….ela já tem no nome esse lance de selvagem?

Entonces. O livro caiu na rede kinen peixe doido pra ser comido. As minas leram e surtaram, no bom sentido. Graças a Deus não soubemos de nenhuma que realmente tenha ido para num manicômio.

Só via os comentários enaltecendo o tal homem das cavernas e tchururu. Aí, dei um look grade na capa e não curti. Nhaaaaammmm…

livro 1

Vamos combinar geral. O cara é feio pracarái. Eu pelo menos achei. hihihih…

Mas daí, como toda leitora psica, a gente começa a ler e os horizontes começam a mudar. Eu tenho um hábito muito saudável. Aposto que algumas de vcs devem ter também. Ou já tiveram, se foram curadas…

Eu tenho mania de ler o livro e quando rola os momentos de descrição dos personagens, eu volto na capa pra dar uma olhada e ver se é compatível. Seja em livro físico ou no ebook. Tipo pra me lembrar do cara, mesmo. Uma visualização facilitada. Por esta razão eu tenho mania de comprar o livro pela capa…e quando descubro na história que a capa não tem nada a ver com o bofe…caracaaaaas…eu fico puta! Tipo, o cara é loiro, gato, de cabelos grandes e com o peito cabeludo. O cara da capa é moreno, de cabelo curto, gato, porém de peito pelado. E aê, José? sacanagem…

Por isso essa capa não me agradou em nenhum momento. Até que eu venci o preconceito e peguei p danado pra ler. Well…tive que dar um upgrade e fazer um F5 pra atualizar o bofe. Então…preferi trocar esse ser da capa, por este exemplar.

Selvagem

Opaaaaa….façamos pois um comparativo. Tô de boa na lagoa com o bocudinho ali da esquerda, hein? Não é aquele fofo super macho que fazia Games Of Thrones? Então tá…

Okay…repaginando o mocinho, eis que caí dentro da leitura. E guriiiiias…descobri porque as minas estavam todas piradas. Não, suas taradas. Não tem nada a ver com o documento do rapaz. Tem a ver com a intensidade que a criatura se descobre curtindo a mocinha.

Vejam bem. O cara tá lá…espreitando na moita que algum animal caia na armadilha dele. Putz…ele tá com fome, tadinho. Daí ele escuta algo e vai todo feliz da vida olhar sua caça. E dá de cara com tipo assim…a Gisele Bündchen da parada, sacaram?

A muléh mó gata selvagem, tá vestindo uns lances esquisitaços pra ele, e fica fazendo um barulho absurdamente irritante com a boca. Sabem o que? Ela estava falando. Yay! Um cara mudo! Não, minhas senhoras. É que o cara é pré-histórico e não se comunica por palavras. Gestos, desenhos, tchururu. Mas palavras formando frases? never.

Daí ele sai levando a moça p caverna dele. Nada de arrastar a bichinha pelos cabelos. Ele foi até gentil. Tava tentando salvar a guria de ter a bunda chutada por um bando de búfalos ( era isso? ) . Aí ele leva a gata pra conhecer o seu Quartinho do Horror. Tipo…necas de TV de Plasma. Cama King Size? Noooo…Cozinha ultra moderna? naaaayyyy…Uma banheira luxuosérrima? Nuuuunca.

A caverna é tipo…uou…uma caverna mesmo. Sem nenhum atrativo bacana. Só com o foguinho pegando ali numa fogueirinha pra dar um calor para afastar o frio enregelante. O cheiro fétido de carne vencida tá varrendo o ambiente como uma onda nauseante de putridez ( caraaaa…que lindo isso que eu falei…). Tipo: tradução. A caverna fede. Porque não tem geladeira, sacaram? poxa…é por isso…o cara até faz suas necessidades fora do cafofo.

A gata dá um look no visú e pira na maioneggs. Literalmente. Começa a chorar e falar e o cara tapa os ouvidos porque aquilo tá doendo a cabeça dele e tal.

Vejam bem. O livro é toooooodo na narrativa dele. Se ele não fala, é mais do que óbvio que o livro tooooooodo não tem diálogos empolgantes e tralalá. Eu curto um embate dialogal. Eu falo pacas. Então…ler um book sem diálogos foi…no mínimo interessante. Agora já posso dizer que li quase de tudo.

Vejam bem. A mocinha é descolada. Ela dá um trato no garoto. Dá um banho gelado nele, porque o cara devia estar fedidão. Penteia as madeixas do rapaz…uou…eu não teria coragem de chegar perto…sei lá o que poderia ser encontrado naqueles dreadlocks. E vai levando a vida pacata, falando sozinha, porque ele nunca responde. Óbvio. hahahaha…

Vamos lá. Até que chega o momento derradeiro. Nãoooo, suas safadas. Não é rala e rola do babado não. Chega o momento de revelar o nome. Tipo aquele lance: Mim, Tarzan. Tarzan, Jane.

A mina tenta perguntar o nome dele. Ehd. Oi? isso mesmo que vc leu. EHD. Maneiro. Curto. Rápido. Num grito só você já chega no intento: EEEEEEHD!!!

Aí ela vai falar o dela. Essa parte é hilária. O nome da girl é Elizabeth. Ela tenta. Mas o mané pelado só consegue falar Beh…BEH. BEEEEEEh…Juro. Por alguns instantes pensei num bode. Bééééé…

A parte boa é quando, por fim, rola o esbregue naite, os gritos ficam fáceis…quer dizer…o cara só geme um lance assim: hooooooommmm…

Eu ri horrores. Mas agora falando bem e sério. O livro é uma descoberta de dois mundos. Ele tenta se ajeitar às maneiras dela e ela tenta de toda forma se manter no mundo dele. Ela desenvolve altos utensílios com o material que tem em mãos e com o conhecimento que tem do século ao qual ela pertence. Ela acaba realmente se apaixonando pelo cara e ele, à sua maneira tosca de ser, se apaixona por ela. Embora ele pense que colocar um bebê na barriga dela seja sua obrigação principal. Espertiiiiinho. Ele se preocupa e tenta suprir tudo o que ela precisa, ou o que ele acha que ela precisa. Então é muito bonitinho ver ele se esforçar pra agradar a mocinha.

Dois mundos. Duas culturas. Que se fundem em uma só. A gente pensa que o livro não tem lógica alguma, mas lá pro final, quando lemos um spin-off do que talvez seja o próximo livro, com o Ponto de Vista da mocinha ( aê sim vamos ter diálogos…) , é que compreenderemos que há muito mais do que aquilo que lemos…huuuuummmmm…

Chegaremos a compreender que a história dela é realmente uma pré-história do que foi a história??? confuso? também achei…hahahahaah…

Mistééééérioooo…

 

Bjuuu

P.S. Vençam o preconceito e leiam. Vocês nunca mais vão olhar para um homem das cavernas com os mesmos olhos. De acordo com algumas meninas, você nunca mais vão chamar os homens ogros de Homens das Cavernas. Porque esse EHD mudou todo o conceito.

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Divagações de Martinha

 

 

Amo Highlanders com força.

 

O que? o título ficou estranho? ops…sorry…eu amo com força os highlanders bacanas que as autoras criam pra gente…hehehehe…melhorou?

Okay…eu estava com saudade dos McCabe. Sim. Eu releio livros que me deixam ouriçada. E eis que um certo dia, sonhei com os tais McCabe. Claro que meu sonho foi meio que uma fanfic, porque eram eles, mas não eram, porque no sonho eles eram vikings. Poxa gente…não riam…sonhos são loucos…e numa mente divagante são mais ainda.

Soooo…eu nem vou divagar sobre os McCabe. Não chorem. Eu já divaguei a long time ago sobre esse trio de gostosos que dão um caldo nas “muleh” deles.

O que vou falar é algo bem nojento. Mas vou explicar tudo no final.

Eu acordei uma madrugada destas passando mal. O estômago estava revirando loucamente. Um único salgadinho disgramento desceu errado no esquema e não se relacionou de boa com o meu ácido gástrico. Um não foi com a cara do outro. Daí, eis que coloquei os bofes pra fora, na alta madrugada. Cara….saiu só ele, acreditam? o cabra ( o salgadinho) queria sair de todo jeito do meu corpo.

Tudo bem. Até aí de boa. Quase mergulhei minha cara na privada. E é aí que começa toda a minha divagação. Enquanto eu estava naquela posição humilhante, eu pensei com meus cabelos roxos:

“Cara…a minha privada é totalmente privada, de uso exclusivo meu, limpinha, bem lavada, em porcelana fashion e tals. E mesmo assim, é nojento ficar aqui de joelhos, submissa a este trono fétido para colocar os bofes pra fora.”

Daí pensei em todos os livros que lemos onde as mocinhas chamam o Raul, ou o Juca, ou simplesmente vomitam as tripas. Seja por um porre épico ou por um mal estar gravídico. Ou uma infecção intestinal. Ou ainda um momento de emoção ultra que coloca o estômago em polvorosa.

E aí, penso nas mocinhas que chamam o Juca nos banheiros públicos da vida. Uou!. É nojento. Tipo…não dá pra pensar em rolar uma ajoelhada e enfiar a cara na privada, certo? porque de privada ela não tem nada. Aquele vaso sanitário já viu muitas bundas publicamente. O problema se resume à impossibilidade de você até mesmo segurar nas bordas do vaso para controlar a ânsia de vômito. Até nas paredes do cubículo é nojento pensar em segurar ou apoiar as mãos. Sei lá que zilhares de bactérias nojentas já não passaram por ali e deixaram seu rastro…

Credo. Que papo sem pé nem cabeça. Okay…por isso me chamam de divagante.

Onde entram os highlanders? Aqui. Neste ponto. As mocinhas vomitam mais do que os gêiseres fétidos da Nova Zelândia. Juro. São três livros dos irmãos McCabe. Nos três as mocinhas se estrebucham até dizer tchau pra alma. No primeiro, inclusive, a mocinha chega a ser envenenada e põe os bofes pra fora na frente do castelo inteiro. E pior…na hora do jantar…

E a coitada para de vomitar? nãoooo…ela prossegue assim por intermináveis dias. O highlander fodástico chega até mesmo a enfiar o dedo na goela dela para o veneno sair mais rápido. Eu hein…

A pobre coitada literalmente faz das tripas coração para ficar com o mocinho. Até tomar o veneno no lugar dele.

O livro 2 e o 3 seguem no mesmo padrão. Quando as mocinhas sacam que estão grávidas, ou quando se veem debaixo de uma situação de muito estresse, elas colocam a boca no muro. Ou na grama. Ou no chão mesmo.

E atentem-se ao fato de que naquela época, o saneamento básico de básico não tinha nada. Na verdade ele sequer existia. Então pensem na beleza e no odor impregnado que reinava quando estas mocinhas passavam mal…

Era nojento. Agora…onde mais lemos situações onde as mocinhas abraçam o Celite? Nos livros badalados do momento, aqueles onde as garotas joviais se embrenham em alguma situação sórdida num night club ou depois de um pé na bunda e aí caem matando na Tequila, na Vodka e mais por aí…

Vocês sabem o significado da palavra TEQUILA ? É uma palavra que originou-se da expressão To Kill YA. Tipo…” essa bebida é forte o suficiente para To Kill Ya.” Pra matar mesmo. E é de matar a situação em que as mocinhas ficam depois de uma noite de bebedeira insana.

Eca. Mocinha vomitando em mocinho, nos cabelos, nos sapatos, dentro do carro, na bolsa…valei-me Jesus…

Enfim. Seja por vírus mórbidos ou um exagero no deguste do álcool, o que prevalece sempre é :  Vai ficar azedo no final. Literalmente.

 

Bjuuuuu

P.S   Bye the way…odeio limpar vômito. Porque eu praticamente quase vomito junto em cima do que já estava vomitado….iiiiirrrrrrc.

domingo, 5 de outubro de 2014

Divagações de Martinha

 

 

5 razões pra você ler Reasonable Doubt

 

Lá estava eu, mergulhada entre livros e escritos, filhos e marido, quando uma amiga me falou: "caraaaaaa.....você tem que ler esse livro."

Eu disse: "Qual, querida? Neste universo vasto de livros que saem do forno a cada dois segundos?"

Ela me mandou. Daí vi o que todas nós quando nos deparamos, ficamos psicas ao perceber:

 

desespero

Merda...é uma trilogia....( suspiro cansado...) .

Mas aí você resolve arriscar, porque alguém te conta que os livro 1 e o 2 tem menos de 100 páginas cada um...daí você pensa: "uou...consigo ler em alguns minutos, desse jeito."

E eis que você pega o livro 3 que tem...

 

Oi

What? Hein? Não ouvi direito....mais de 300 pages. Some às páginas dos dois primeiros livros e você acabou de ganhar a poha de uma noite insone. Porque digo isso? Porque a autora é Flórida...ela tem uma narrativa tão legal que você não consegue largar o danado do cara. Quero dizer, do livro.

Well....o que temos aqui. Um cara que precisa muito ter um encontro com nosso amigo de lavanderia.

Sabao

 

Sério. O cara, o Andrew, tem a boca mais suja do planeta terra. É estranho em meio a tantos livros que lemos por aí, mas só lendo pra vcs entenderem. Tipo, não sai nada da boca dele que não tenha  cunho sexual.

E o mais intrigante. Você fica fascinada pela sem vergonhice do zé mané. Você acaba lendo e lendo e querendo saber aonde a coisa vai chegar.

O que você deve esperar: Um mocinho apaixonante que consegue fazer você sentir amor e ódio na mesma medida quase.

Uma mocinha esperta que de besta não tem nada, é super batalhadora e sabe colocar os limites na hora que ela precisa.

Vamos lá. O Andrew é um advogado fodástico. Ele se formou com o Gabe Szaloki, se lembram dele? Então...  Os dois são da mesma sacola luxuosa. ( Porque eu não vou dizer que os dois são do mesmo saco...adaptemos, queridas. Adaptemos os ditados,...).

O Andrew era um advogado renomado e ainda mantem a aura dessa experiência toda e o cara é um prepotente de primeira categoria. Ele está pouco se lixando se há uma autoridade na sala ou não. Se é mulher ou homem. Ele dá as patadas dele sem delicadeza. Claro que há toda uma história por trás disso.

Dou um pirulito pra quem adivinhar....o que? eu ouvi alguém dizendo que o cara deve ter um trauma sinistro no seu passado? E que esse trauma o transformou nesta pessoa fria e gélida que ele é hoje?

Basicamente, ele é um cara aberto a chats de relacionamentos onde ele coloca em linhas bem definidas:  "Quero de pegar por uma noite e depois você some da minha vida. Tchau". Bem nesse naipe aí...

O surpreendente é que a mocinha acaba fazendo amizade com o cara, pela internet, e os dois trocam ofensas sexuais pelo telefone. Tipo ela fala: Estou precisando da sua ajuda num processo. E ele responde: Tudo o que você precisa, querida, é do meu ..... na sua ...... .

Stop

Para tudo se você não tiver entendido o que eu quis dizer...eu não...ele...

Então. Os livros são o máximo. O mocinho faz uma merda alucinante, ganha o Oscar da grosseria e falta de educação, parte o coração da mocinha com um golpe de karatê muito bem aplicado e você sente uma vontade de descer a mãozada na cara dele e espremer as bolas dele até vê-lo chorar.

O que a mocinha faz? ela dá uma de besta e ao primeiro sinal de pedido de desculpas do cara, ela se joga em seus braços? Ledo engano, minhas queridas. Ela dá um pé na bunda dele, quase um golpe resoluto de Tae-Kwondo. Achei lindo. Ela manda ele pastar, catar côco no asfalto, ir brincar com as mulheres capacho dele e tchururu.

Aí ela toma uma attitude ( e não me refiro ao passo do balé...contei que a mina é bailarina? e quer ser profissional? além de advogada? ) . Pede demissão sem remorsos, dá um tchau pros pais que são elitistas e nunca deram bola verdadeiramente pra ela, e ainda manda um beijinho no ombro pro palhaço do Andrew. E ela some. Vaza. Pica a mula. Vai de mala e cuia pra NY, porque lá é fino, é chique e tem o corpo de ballet que ela sonha desde criancinha.

O que acontece? O cara vira um leão enjaulado. Fica irritadiço, destrata todo mundo. Isso é clássico. Porque se o cara ficar todo feliz e impassível, significa o que? que ele não está sentindo náaaaaadegas. E aí isso é chato.

Mas enfim...o cara fica todo mexido e leva duas semanas. Eu disse duas semanas. Vocês me ouviram: DUAS SEMANAS, não 4 dias como Christian Grey fez com Anavaca, mas ele só percebe que a guria tomou um chá de sumiço, depois de duas semanas. Burro.

Aí o que ele faz? Hã? Hã? Descobre, por acaso, que a pequena criatura fujona está ali, em NY, uma cidade que ele odeia, mas tem que ir por conta de um compromisso. Meses depois.

Fiquei puta. Até então parece que ele só resolve procurar a mocinha porque calhou dele sacar que ela estava ali na mesma cidade detestável ( pra ele...p mim é um luxo...heheheh).

Ele vai em busca da moça...e...cara...nem me lembro mais quanto tempo já se passou...meses, sei lá. Porque ele é macho. Não deu o braço a torcer. Quando ele descobriu que ela tinha ido embora da cidade, o que ele fez? Nádegas. Ele voltou à sua vida fútil de pegação online e tal. Vontade de descer a mão na cara dele, com pregos na minha palma.

A cena que descreverei é absurdamente uma das mais hilárias que já li. Ele chega e dá de cara com a mina e o novo boy magia dela. Ele é um bailarino do mesmo corpo de baile. Aí o lindo, que não tem papa na língua, chega na mina, dá um créu tipo: "ahá! te peguei...eu sei o que vc fez no verão passado na minha cama, gata..." ...hahahahaha...

E quando o boy magia dela chega, ele ri e fala mais ou menos o seguinte:

"O que? você agora está namorando as ...bailarinas? porque isso aí é uma bailarina..."  Ai, que vontade de arrancar aqueles fios macios da cabeça dele. Que tosco.

Pior. Ele ainda diz pro cara na maior cara dura que a boca da Garota já esteve muito bem posicionada no p....dele. Rachaaaaaaaa a cara de vergonha!!!!

Gatas. Só lendo. Só posso dizer que vocês tem muitas REASONs para não sentirem sequer nenhuma DOUBT sobre a leitura desses livros. É viciante.

Digo e assino.

Reasonable Doubt = sabão pra lavar a boca do Andrew + Oscar de mocinha diva pra girl + vontade de você entrar no livro e interagir ao vivo com o Andrew...Oi?

Hahahaahah...

Marquem esta frase: " Tem a poha de uma super cola no chão do meu escritório? O que você ainda está fazendo em pé aí? " . Groooooossooooo....

Boa leitura, mon chéries. Valeu à pena.

Agora eu vou pegar um Homem das Cavernas. Juro. Literalmente. Tô falando sério. Cês não tão acreditando?

Então esperem as próximas divagações...

 

Bjuuuu

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Divagações de Martinha

 

O Rebu

 

Eba….vamos alegrar o dia, porque a vida não está fácil pra ninguém. Nem pra mim, nem pra você, nem pra coleguinha do lado. Talvez pra Angelina Jolie…

Enfim, já devia ter divagado sobre este livro que li há uns dias atrás. Putz…eu tô tão chapada de antialérgico que nem sei como vai sair essa divagação, mas tentemos. A vida é feita de tentativas. Hoje tô bem filosófica.

Eis que vejo um bafafá falando sobre um tal livro e tchururu. Como eu curto muito bafafá, fui curiar e averiguar o ocorrido. Daí, as minas estavam lá enaltecendo um livro chamado Dominic, da L.A. Casey ( espero que seja isso…). Mas o levante estava por conta do livro seguinte. O livro do irmão do Nico.

Eeeee….eu sou psica com séries….fico puta com esses lances ( até parece que não escreve em séries tb…).

Daí pensei: pooooo…não vou pegar o livro dois pra ler, sem ter lido o livro 1. Isso é não é nada ético. Eu preciso valorizar o livro da pessoa…Então, lindamente me apeguei ao livro. Para fins de informação crucial, são os Slater Brothers.

Já de início posso dizer de cara que a autora ganhou meu coração. Ela escreve super bem, os diálogos são absurdamente hilários, você se pega rindo em momentos aleatórios. Os personagens são altamente explosivos. Valei-me Jesus…cheguei a pensar em dar maracujina pra mocinha. Na verdade eu pensei em tomar pra ver se me acalmava de boa. Porque a garota tem a língua mais viperina que eu já li nessa minha longa jornada literária.

Bem, a moça é irlandesa. Já temos aí um acréscimo de temperamento. É jovem, no auge dos arroubos da TPM. Vamos dar o bené pra ela. O cara é marrento, daqueles mega gostosinhos bad boys parrudos que adoram provocar as pessoas ao redor.

Um odeia o outro. Pronto. Está feita a receita do bolo. Hahahahah…É óoooooobvio e claro como cristal, que os dois acabarão se engabelando romanticamente.

E o mais fofo é que o cara cai de quatro pela mina e não desiste nunca. Eu poderia até usar o slogan “Ele é brasileiro e não desiste nunca”. Mas na verdade ele é americano. Então um adendo neste romance é você imaginar a divergência do idioma com que eles se comunicam. E sempre sobra uma zombaria de um com o outro por conta de palavras ininteligíveis…hahahaha…claro que como estamos lendo em português, podemos apenas supor, né?!

Okay. Vejamos. O cara é um lutador dessas lutas secretas, tipo Clube de Lutas, saca? Parece muito com alguns mocinhos desses mais requisitados. Mas como eu digo…as semelhanças são apenas esporádicas. A autora consegue explorar tantas nuances dos personagens que não notamos cópias.

São cinco irmãos machos. Cada um com sua história, trabalhando “obrigados” para um cara mau. Yay!!! receita de sucesso porque a gente já fica com dó.

Porém…o que nos chama a atenção e que gerou conflitos facebucais, é pelo fato de o irmão do próximo livro ser tipo um….como direi…hummmm…gigolô? acompanhante? Pegador de ambos os gumes de uma espada? Bi…por assim dizer. Ele curte ambas as faces de uma moeda…ahhhhh…vocês entenderam…

Okay. O cara é hilário. Super bacana, engraçado, você se apaixona por ele de cara. Mas entra ressabiado no esquema da leitura, se por algum acaso você não gostar de saber que o macho também duela com espadas. E aí gerou o conflito. Ficou uma discussão sobre o cara entrar de ré ou não. Estacionar o land rover na garagem alheia, pegar na jiboia errada e esses parangolés aí.

Já na capa há controvérsias. Eu, divagando loucamente, observei uma delicada tanga na imagem inferior do quadrante abdominal do indivíduo. What???? comassim??? tanga? hummmmm….medonho…

Daí, analisando photoshopicamente a imagem, vejo que os gominhos super bem divididos estão um tanto quanto maquiados. Mas daí já eram meus olhos maldosos em busca de defeitos e alegações para não ler o livro.

Peguei o dito cujo com ganas. E medo. Muito medo. Tanto que passei a leitura inteira quase roendo minhas unhas e perturbando uma amiga por zapzap p ela adiantar o que aconteceria nas páginas seguintes. Porque ao que constava, haveria uma situação infame, mas que depois seria justificável e bla bla bla.

Okay. Fui avançando lentamente. O medo me dava suadeiras. Tremores invadiam meu corpo à medida que a coisa evoluía. E …óoooobvio que apaixonei no cara porque ele é um fofo. E lá se vão os diálogos hilários e super bacanas. Mais uma mocinha sem papas na língua, com uma língua de Naja e sucuri juntas. Adora dar umas mãozadas impertinentes no cara e enfim…surge o enredo e a coisa complica. Porque quando o momento derradeiro chega, minha vontade era morder meus nós dos dedos de tanto ódio. Não havia necessidade daquilo! NÃO HAVIA NECESSIDADE DAQUILO, AUTORA QUERIDA!  Isso sou eu gritando pra autora do livro.

O trem poderia ter passado sem aquele episódio insano e de profundo mau gosto. Ou pelo menos o cara poderia ter feito uma cara de mais nojinho, ao invés de aparentemente estar curtindo a birosca. Bem…mas essa é minha opinião.

Achei que a mocinha perdoou um pouco fácil demais. Se a coisa fosse comigo eu precisaria de tratamento com psiquiatras, terapeutas ocupacionais, hipnose, pilates e yoga relaxante.

Enfim. Agora tô loooooka no próximo livro. Odeeeeeio isso. Sério…ficar roendo as unhas à espera de uma nova história sendo que temos 5 milhões de livros a serem lidos…hahahahahaha…

Ei-los. O livro do meio é apenas um daqueles 1.5, sabem como é?! Mais curto e com uma história à parte. Bacana também.

casey

 

Slateralec slater

 

Bjuuuuuuu

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Divagações de Martinha….I’m Back…

 

I’m Back!!!

Helloooooo adoráveis criaturinhas cibernéticas!!! Olha quem voltou!!! Euuuu…a própria! Vinda diretamente de não sei de onde para divagar para vossas senhorias….a respeito do que, não faço a mínima ideia…

Pois bem…para aqueles que sabem …eu fechei o blog por um tempo…sabem como é…bateu uma leseira, eu estava com um monte de coisitas pra fazer, minha vybe não tava engraçada…acho que minhas divagações acabaram enjoando…mas enfim…

Lá estava eu…na fila do gargarejo, à espera de um autógrafo da adorável e maravilinda Carina Rissi…é claro que como não sou tapada nem nada, levei o Absoluto pra ela de presente…calma…eu ia mandar pelo correio…ela me pediu pra entregar ao vivo…daí eu obedeci…hehehehe…

Entonces…conversa vai, conversa vem…porque Martinha calada é algo raro, eis que as minas acabaram sabendo que eu tinha escrito…algo assim: “ops…eu que escrevi…” haHAHAHAHAHAH…adorooooo…minha modéstia ainda vai me colocar em apuros…

Daí, numa dessas tantas, tinha um grupo mega lindo intitulado “Faladeiras Brasília” e eu pensei acá com meus cabelos coloridos: “What? Comassim um grupo de faladeiras e eu nunca tinha ouvido falar??? e comassim eu não tô lá dentro falando tb?” …nesse ínterim, a fofitcha Carla escutou quando eu disse que eu havia feito uma sacanagem com uma amiga, cujo respaldo saiu na net sob a alcunha de 50 Tons de Rosa. Aí a vaca foi pro brejo…foi uma risaiada só, eu ajudei a tocar o terror na fila ( porque fila bacana é fila zoneada…) e me diverti num belíssimo dia de terça feira…

Ai ai…, mas porque estou me delongando tanto assim? porque algumas meninas acabaram me deixando com uma sensação de saudosismo gigante de poder divagar pra vcs. Já ouvi de tantas de vcs que meus textos trouxeram momentos de alegria, descontração, risos espontâneos e familiares pensando que vcs fossem loucas… Aí, resolvi dar uma de fofis e voltar as divagations…

E vou divagar sobre o que? Sobre nada. Quer dizer… minha cabeça tá doendo pracarái, então o cérebro não está fazendo sinapses suficientes para divagar sobre algo grandioso ou tão singelo que vcs sequer tivessem parado pra pensar.

Porém…para deixar vcs com a pulga atrás da orelha, eis que divago brevemente sobre algo muito interessante : porque nós mesmas nos achamos tão alienígenas em relação a nossos gostos literários, mas percebemos só depois que há um mundo vasto e cheio de gurias loucas como vc mesma? Eu percebi isso na fila. Porque à medida que uma falava de um livro, a outra falava: “caraaaaa….também senti isso em relação à essa mocinha.” E vou dizer…parecia que estávamos falando de pessoas reais…embora eu tenha falado que queria descer a mão na cara da Sylvia Day ( ela eh uma pessoa bem real, né?!). Só que ali nos papos enfileirados, estávamos arquitetando planos horrendos de esmagar a cabeça de algumas heroínas. Menos os mocinhos…eles são fofos e ardentes…shhhhh….não deixem seus respectivos companheiros ler isso…

 

Espero aparecer aqui de vez em quando, okay? Não vou garantir um momento “batendo o ponto” semanal, porque minha vida está looooooka, e daí muitas vezes eu não tenho tempo nem pra tomar banho…( brincadeira….heheheh…mas peraí…as mocinhas dos livros podem e eu não posso? porque? ) …

 

Bjuuuuu

sexta-feira, 25 de abril de 2014

Divagações de Martinha

 

Logo Diva Novo

 

Pirikita em Chamas

Pois bem…o título já bem adverte a temática desta divagação. Logo, se você for menor de idade, please, desconecte sua máquina para que eu não perca minha licença de blogueira divagante, okay? hahahaaha…

A semana passada eu vi uma matéria bafônica sobre a Lindsay Vagaba Lohan. Ela querendo dar um up na carreira em plena descida de montanha russa, resolveu fazer uma zoada com os amigos e tirar onda de quem ela já pegou no mundo das celebridades. Vejam bem, a suposta lista foi cair, ups! nas mãos de alguém da revista In Touch, logo…polvorosa geraaaaaal no meio da macharada….hahahaahah….porque a mina né fraca não, caras amigas. Ela pegou geral, passou um rodo sinistro e despertou um sentimento de inveja congelante em quase todas as mulheres com hormônios em ebulição.

Pois bem…segundo fontes fidedignas ( hum hum…) a mina tava lá se esbaldando kaskolegas e escrevendo os nomes dos famosos que ela já traçou. E de acordo com relatos, em muitos momentos ela dava uma pausa como se estivesse tentando se lembrar o nome do infeliz. Uau. Isso é o que eu chamo de memória seletiva…hahahahaha,…

Vejam bem…este post pode ter se originado de um momento breve e juvenil de inveja branca, mas ele vem à calhar com nosso tão amado tema literário.  O que lemos em muitos livros e o mais lógico que ocorre, é que num pensamento muito machista por nossa parte, os homens libertinos são bacanas e agradáveis quando se regeneram. As heroínas passam uma borracha no passado cheio de cintas ligas dos caras e pronto. Tá de boa…elas nem tchum pra quem o bofe já pegou ou não…de vez em quando vemos uma heroína ou outra com um pequeno complexo de insegurança quando se depara com uma ex do bofe e percebe que as outras 238 mulheres do passado dele eram do mesmo naipe. Normalmente nos books as bichas ( as ex…) são gatas pra carái!!! Daí a heroína sente uma desintegrada geral e chora com medo de não estar à altura do gato tarado. Ex tarado agora regenerado.

O que vemos pouco são mocinhas rodadas. Sério. Isso é bem raro. Algumas autoras ainda dão uma calibrada nas gurias e fazem com que elas tenham experiência geral. As heroínas históricas vc pode esquecer…normalmente elas são virginais e bem fofas…as mocinhas contemporâneas já são um pouco mais avançadas no quesito compartilhamento da pirikita. E as mocinhas NA estão quase se saindo umas Lindsays Lohans da vida.

Teve um livro que li que fiquei chocada! A quilometragem da mulher estava quase que compatível com a do cara. Foi estranho e aí entra nosso lado machista que achamos esta atitude normal nos caras, mas não das minas.

Venhamos e convenhamos. Lindsay Rodada Lohan tem apenas 27, e tem um currículo extenso a dar de pau. Ops…literalmente…hehehehe…Mas ela é dona da margarida dela e se a mina quer fazer pilates, musculação ou treinamento de yoga com os músculos pirikitais dela, o problema é dela e não meu. Agooooooora….eu tenho cá minha opinião a respeito desse lance de “Kiss and Tell”. Tipo….homem que tem mania de tirar sarro com os colegas e enumerar as conquistas. Agora quando uma mulher faz isso, meu lado machista acha feeeeeeio. Porque, pô…é um lance de intimidade, certo? E aí a guria fica toda ouriçada pra alardear pelo planeta que ela pega geral. E ela acha isso legal. Eu acho isso o cúmulo do rebaixamento da autoestima dela. Precisar expor a sua intimidade e a dos outros pra ganhar espaço na mídia é fuleiragem.

Quando os caras fazem isso já é ridículo, agora quando uma mulher faz toma o dobro da proporção. Porque a intenção dessa fela drogada era tentar alavancar sua imagem como diva peguete e pegável…e de boa…os caras passam por ela nas baladas e pensam: “Já peguei.” Pensam nada. Vai ver nem se lembram. Hahahaha…Mas enfim…o que vejo ali é uma garota que já foi uma boa atriz, mas deixou que a mídia fudesse ( literalmente ) com sua vida. Drogas, escândalos, prisões e agora uma lista da vadiagem alheia. Hahahahah…

E digo alheia porque muitos dos 36 nomes famosos que ela expôs são bofes que não estão necessariamente ou não estavam na época, solteiros. Ou seja…a mina passa o rodo na geral Solteiro, casado, viúvo, boiola, mulher e até ator pornô. É ou não é triste ver a degradação de si mesma? Pera…claro que a lista dela dos machos muitos não eram degradantes….vejamos…

1017754_10152286143506912_6786075950614811452_n

Vamos lá. Justin…oh Justin…será que estavas com Biel ou não? Joaquin passo…de boa…Esse Luke Hass…hahahaha…juro….joga o nome do homi no google pra tu ver o que aparece…cuidado…não abra perto dos outros…ele é o tal ator pornô que falei…hehehehe…porém, se vc averiguar direito, verá que tem um ator que se chama Lukes Hass…e oi? amiga…que coragem a tua…no caso dos dois, claro…mas quem é quem nunca saberemos…

Nico, não te conheço…Evan Peters…quem te viu, quem te vê… Wilmer Valderrama, será que deu uma catracada na ruiva enquanto a Demi tava na Rehab?

Jamie Burke…sássinhora…Jamie Dornan??? senhor Grey??? porque? porque? até tu, brutus? Zac Efron resolveu bater uma bola de basquete com ela…tipo High School Musical. Heath Ledger ( R.I.P) foi-se…nem pode negar o fato mais.

Esse Valmorbida ( que mais parece nome de remédio) é um empresário jovial desses que gostam de passar o rodo nas “mulegada” …tava facin facin pra mulher aranha pegar. Collin Farrel….uou…mais uma mulher dividida com Jamie Dornan…porque pra quem não sabe a mulher do Jamie já foi noiva do Farrel. Os caras tem o gosto igual? vexaminoso.

Ryan Rottman…Max George ( o guri lá do The Wanted…), Guy Berryman, baixista do Cold, James Franco, Adam Levine ( a guria curte um roqueiro, hein?)  e Garrett Hedlund ( decepcionada com ele por causa disso…estamos até sem nos falar…), já passaram pelas garras afiadas e posso afirmar…são todos gatieeeeeeenhos. A bicha tem bom gosto…isso temos que concordar.

Mas não se contentando, ela ainda escalou para seu currículo umas garotas dispostas….ahahaah…

Pois bem LiLo essa semana cresceu na mídia, deve ter passado a ser odiada por alguns machos, detestada por algumas mulheres e deve ter sido razão de discórdia em algumas residências. Ou ao menos colocou uma bela duma pulga do tamanho de um elefante atrás da orelha das mulheres que acompanham ou acompanharam estes rapazes adoráveis.

Alguns ali devem ter sido colegas de bebida, companheiros de fileiras de cocaína, alguns podem ter tirado onda, outros podem tê-la usado ou terem sido usados…

Enfim…who knows. O que fica em questão é o porque da necessidade da garota alardear esses peguetes? é pra matar de inveja a mulherada é? Embora eu nem sequer quisesse a lista toda…um ou dois tava valendo…heheheh…brinks…posso nem brincar assim senão maridis me mata.

Well. Vou dar minha opinião, se é que já não dei acima. Eu sou da escola antiga. Não. Não a escola do Harry Potter…eu sou da escola de guardar bem guardada minhas partes pudendas e só compartilhar com quem mereceu minha atenção e meu coração. Awwwww…romântico isso…

Eu gosto de ler livros onde as mocinhas ou são virginais ou são mais pra menos experientes, e nem tão rodadas. Isso sou eu, tá?! Não tô criticando ninguém…enfim…nem sei porque falei nesse assunto….ah…lembrei…foi porque li um livro que a mulé passava o rodo na geral e tchururu. Fiquei chocada. Tanto que larguei o livro e até hoje não consigo me lembrar do nome do infeliz. O livro. Hehehhe…

 

Bjuuuuu

P.S

Caras…eu poderia passar a noite toda postando imagens da LiLo e vcs ficariam chocadas. E entenderiam porque eu fiquei chocada com alguns dos objetos da lista infame. Tipo: “Wadarréu?! que cê tava pensando???”  Vai dizer que ali não devia ter sido pegação sob efeitos de entorpecentes???

Vamos evoluir na cadeia da decadência:

images (16)download (2)download (3)images (7)

Assim se começa uma biografia original:

“Eu já assim…com um ar saudável, jovial, um belo sorriso no rosto, um photoshop magnífico…meus cabelos eram ruivos naturais, minhas sardas eram disfarçadas com um bom corretivo…

images (4)images (15)

Então…eu quis mudar…cansei de ser ruiva e fazer papéis de boa moça e pintei meu cabelo. E dei uma botocada de leve nos beiços.

images (18)images (13)

Daí comecei a usar “dorgas”. E beber um pouco mais além da conta…e comecei a comer muuuuuito…e misturar todo tipo de entorpecentes com bebidas e bla bla bla…aí eu engordei pacacildis e fiquei meio estranha…

images (17)images (14)

A galera começou a me ver desse jeito nas baladas…eu de boa, circulando pra lá de Marrakesh, com uma maquiagem esquisita, festa estranha, eu não tô legal…não aguento mais birita…

images (11)

Daí comecei a fazer meu portfólio super chique da delegacia de polícia. Eu precisava inovar e provar aos diretores que eu poderia atuar como uma perfeita drogada e prostituída presidiária e nada bem de vida.

download (4)images (10) 

Comecei a evoluir no botox, na água oxigenada e esqueci de tratar meus dentes…eu devia estar presa nessa época e talvez tenha perdido a consulta de clareamento…ou talvez não…não sei…não me lembro…

download (1)download

Iniciei meu esquema de fotos de beicinho no ombro pra disfarçar o botox e parecer diva…neste momento estava me sentindo Merdylin Monroe…

images (12)images (9)

Aí eu quis renovar e dar uma repaginada no meu visual…emagreci, deixei os peitos caírem e meus braços esqueléticos, pra mostrar para os diretores que eu poderia interpretar perfeitamente uma refugiada de Aushwitz.

images (8)621284345194

Zoei com os amigos, expus meus peitos de boa na night, ameacei uma amiga em cortar o pescocinho se ficasse mais bonita que eu na foto e por aí vai. Uhuuuu!

images (5)images (6)

Pena que para toda ação há uma reação…era só beber além da conta que eu apagava geral e nem sabia aonde, quando e com quem…

E assim continuo até hoje…”’

E ainda vem me dizer que neste estado torporoso, bagacento e destrambelhado, drogado e arrasado, a bicha conseguia faturar aqueles bofes todos??? OIIIIII???? em que mundo nós estamos, pelasantamãedoguarda????

 

images (3)ng3089846 (1)